A moça e o casamento

Captura de Tela 2014-08-30 às 23.21.01

Vou contar uma história pra vocês, completamente verídica, que aconteceu a algum tempo atrás e me fez voltar a acreditar em comédias românticas. #dreamscometrue

Bom, vamos começar pelo começo. Estava eu no bar cazamiga, curtindo aquele momento feliz do final de semana chamado Afogando Meu Regime Na Batata Frita, quando minha amiga começa:

– Amiga temos uma história incrível pra você colocar no seu blog!

Acontece que uma amiga delas (que eu não vou citar o nome porque aqui a gente é discreta), acordou numa sexta- feira qualquer com uma vontade incontrolável de ver um casamento. Eu fico pensando que essa pessoa deve ser muito romântica né?! Porque, na minha opinião, casamentos (me refiro a parte da missa) não costumam ser eventos, assim, dos mais animados – uma vez fui ser dama de honra e QUASE dormi no altar – mas cada um, cada um…Continuando, a mina estava numa vibe romance, possivelmente desiludida com a vida amorosa dela que devia estar no limbo e resolveu ir.

Ela sabia que as sextas, lá pelas 8 da noite, sempre aconteciam cerimônias desse tipo em determinada igreja (novamente protegendo a identidade da vítima), e com essa certeza ela se arrumou toda e foi assistir o casamento de dois desconhecidos. Chegando na igreja, escolheu um lugar nos bancos da frente, junto com a família dos noivos, afinal de contas, ela não tinha chegado até ali pra ficar atrás de um cabeçudo, ou de uma criança pentelha e não ver nada. Mas, é claro que aquelas pessoas olharam pra ela com cara de “O Que Essa Nega Tá Fazendo Aqui” e então ela achou de bom tom contar sua história, para que eles soubessem que ela não era nenhuma louca. Como era de se esperar, todos ficaram muito emocionados e acharam lindo que ela tinha ido até lá só para assistir o casamento e ver a noiva, mesmo não conhecendo aquelas pessoas, e sendo tão bem recebida, ali ela ficou.

A noiva passou, o padre deu a benção e o casamento acabou #amém. Todos se levantaram, ela se despediu das pessoas que tinha conhecido e começaram se dirigir para a saída. E durante essa caminhada, tudo o que passava pela cabeça da nossa amiga era: “Será que eu fico para a próxima cerimônia?”.

Eis que, por uma coincidência insana chamada destino, no meio disso tudo ela encontra uma amiga que, espantada com o encontro, manda um: “Nossa não acredito que você também conhece os noivos!”.

E então a nossa protagonista contou a sua história, sobre a moça e a vontade de ver um casamento, que assim como a família dos noivos também emocionou a amiga que de tão linda que achou resolveu contar para a noiva que chorou ao saber que uma desconhecida tinha ido até ali só para ver seu casamento e que…

Tãm, tãm, tãm, tãm…

Não deixou ela ficar pra ver o próximo casamento coisa nenhuma porque achou ela o máximo e exigiu que ela fosse para a festa com os outros convidados!

Sim galere, a pessoa saiu de casa só pra ver uma noiva e acabou descolando uma mega balada NO VASCO. E não é só isso! Ao chegar à festa ela ainda conheceu um gatinho com direito a casamento na balada e carona pra casa.

Parabéns, você zerou a vida.

Então você amiga, que está ai na sua casa chorando as pitangas porque não tem um amor, ou porque sua vida está uma bosta, siga o exemplo dessa musa da história e, ao invés de ficar caçando a felicidade, simplesmente faça o que você tem vontade sem esperar nada, às vezes o universo pode te surpreender.

Era uma vez um cafajeste.

33873_151117248256990_1506405_n

Fui no mercado e pedi bom senso, eles não tinham, então comprei vodka.

A mais ou menos um mês atrás minha amiga me apresentou um amigo. Tudo começou bem, já tinha combinado com ela de sair, estava blaster animada pois no dia anterior tinha pego o inglês mais gato do planeta na vila madá #habemuscopa #europeuvaledoispontos, quando ela me avisa que um amigo dela vai vir buscar a gente, até ai zero problemas né, ia gastar menos de taxi. Eis que chega o cidadão, mais conhecido como problema, mais conhecido como cafajeste, mais conhecido como moreno, alto, bonito e sensual. Não estava preparada pra isso.

É sério isso gente, qual é a chance de uma amiga sua dizer que vai levar um amigo e o cara ser bonito? Eu não sei vocês, mas, até esse nego aparecer, isso nunca tinha me acontecido antes, é sempre “amiga você vai amar, ele parece o Ryan Gosling” e quando você vai ver o cara é um anão japonês que fala “tlinta e tlês”.

Mas ok, respirei fundo e entrei no carro afinal de contas, eu já estive na presença de outros caras gatos antes e sempre existe a chance de ele ser um completo idiota, o que anula qualquer boa impressão causada pela beleza. Não foi o caso, só pra constar.

Chegamos na balada, uma fila que ia daqui até Presidente Prudente, eu e minha amiga resolvemos ir comprar alguma coisa pra beber ali perto, os meninos ficaram na fila. Resolvi saber logo o briefing do menino, pra ver onde é que eu ia amarrar meu bode:

– Amiga, esse seu amigo é consideravelmente bonito né?!

– Sim, ele é.

– Mas vale menos que um tufo de cabelo né?!

-É, ele não vale nada, pegou uma amiga outro dia e depois sumiu, ela não ficou muito feliz.

Já resolvida que eu não ia me sabotar e colocar outro encosto na minha vida, voltei pra fila com o foda-se ligado. Entramos na balada, meninos para um lado meninas para o outro, resolvi que ia curtir e achar um bofe que não tivesse um “cachorrão” written all over it mass nesse meio tempo minha amiga, que estava falando com um peguete no whats, resolveu fazer um “after” com ele e pediu para o bofe ir busca-la na balada. E eu… e eu??

Eu fui acolhida pelos amigos dela, que muito gentilmente insistiram para que eu ficasse, dentre eles estando o grande problema da noite, o amigo gato. Sabe, eu acho que se ele fosse loiro eu não teria tantos problemas, é que a coisa do moreno realmente pega muito forte. Enfim, conversa pra cá, conversa pra lá, o menino chegou em mim, assim meio tímido, meio que uma sugestão, acho que ele já estava sentindo que eu não seria uma presa fácil…Naquela noite, claro, porque normalmente eu seria a melhor presa ever, aliás, desconfio que se ele tivesse esperado eu tomar mais duas doses de seja lá qual fosse o destilado da noite, eu mesma ia ter tomado a iniciativa. Mas não foi isso que aconteceu, eu ainda estava razoavelmente sóbria e disse que não, porque eu ainda sei o que é melhor pra mim. Mesmo assim o moço me alimentou com café e risadas, me deu carona até em casa e abriu a porta do carro pra mim.

Delicadeza, a gente ainda vê por aqui.

Semanas se passaram, combinei com uma amiga de ir pra uma festa de máscaras (muito amor pelo cara que teve essa idéia), amiga essa que, por acaso ou não, foi a mesma que me apresentou o Garoto Problema ali de cima e já que estava no clima de convidar, aproveitei e convidei ele também #ousadiaealegria. Ambos aceitaram, nos encontramos na festinha, minha amiga passou mal e foi pra casa, agora, adivinha quem sobrou? Sim Brasééll, eu e o moço. E nós dois. E uma festa cheia de desconhecidos.

Desfilou comigo a festa toda, até rolou umas quengas tentando pegar o bofe  distrações, mas no fim das contas ninguém pegou ninguém, nem eu, nem ele, nem eu e ele. Mas rolou conversa e risadas, empréstimo de cachecol e carona pra casa. O que já é muito, em comparação com os homens que eu ando conhecendo. Nesse momento acreditem, minha força de vontade estava trabalhando nonstop pra continuar me lembrando que APESAR de tudo, ele ainda era o cara que não valia um real. E digo isso não mais porque a minha amiga me contou, não, porque depois que comecei a conhecer o rapaz ele mesmo me contou isso, com histórias e exemplos pra ilustrar. Pois é meninas, estudos apontam que tá foda.

Bom, continuando, resolvi fazer um get together aqui em casa esse final de semana, chamei TODOS os meus amigos, todos miaram menos um, adivinhem só quem foi???? Sim, o próprio.

Eu estou começando a acreditar que Deus, ou seja lá qual é a entidade maior que rege o universo, está tentando, com muito afinco, me deixar sozinha com este rapaz. PORQUE NÃO É POSSÍVEL! Ou isso ou aquela história toda de mentalização está começando a funcionar muito sério, estou pensando em fazer o teste essa semana, jogando na loteria.

Enfim, Garoto Problema veio, trouxe um amigo legal, conversamos, bebemos e resolvemos ir para um aniversário de um amigo dele, que estava acontecendo na portaria do inferno aparentemente, já que eu nunca vi tanta gente feia junta na vida. Com exceção dos amigos, já que alguns eram até bem apresentáveis. Mas novamente nada aconteceu, resolvemos ir embora, porque o amigo dele estava concordando comigo na coisa do inferno, só que ele queria ir pra casa e eu queria ir pra gandaia. Então tivemos uma idéia brilhante “vamos levar meu amigo pra casa e depois a gente vê o que faz”, ótimo né?! Todo mundo fica feliz, todo mundo ganha o que quer, certo? Errado.

Gente, conselho pra vida: Se você estiver fazendo um esforço consciente pra não pegar um cara, seja porque você sabe que ele não presta, seja porque ele é ex da sua amiga, ou qualquer outro motivo que te faça acreditar que aquilo vai dar merda, NÃO- FIQUE- SOZINHA- COM- ELE. Obrigada. De nada.

Claro que no longo caminho até a casa do amigo rolaram várias outras idéias brilhantes do tipo:

Amigo: Dorme na minha casa, amanhã eu te levo.

Amigo: Vamos todos dormir na minha casa.

Problema: Dorme na minha casa, você pode ficar no quarto de hóspedes, amanhã te levo.

E é mais do que óbvio que eu não aceitei nenhuma dessas propostas, porque isso aqui não é a casa da sogra, mas então surgiu uma proposta que me pareceu até aceitável (bêbado é uma desgraça), assistir filme na minha casa não era tão ruim, afinal de contas, porque não?! Já era tarde, ou cedo, dependendo do ponto de vista, as baladas já estavam fechando, não tinha mais muitas opções e no fim, a casa é minha, eu faço as regras, nada ia acontecer…né?!

Posso garantir uma coisa pra vocês, se eu tivesse a mesma força de vontade que eu tive com este moleque no meu regime, eu estaria com o corpo de uma Angel da Victoria’s Secret, porque nada aconteceu mesmo. Ele veio aqui, colocamos um filminho, deitamos no sofá de conchinha (porque, é o que eu queria saber) e nada aconteceu, porque eu não quis. Isso sim é uma teimosia sem tamanho. É claro que me arrependi assim que ele saiu pela porta, ás 9 da manhã, mas tudo bem porque o arrependimento passou assim que ele foi seco comigo no whatsapp mais tarde naquele dia. Porque mulher é assim, pode ter acertado 1000 vezes, se cagou uma, É DISSO QUE A GENTE VAI LEMBRAR.

Enfim, agora eu estou em um dilema (lembrando que o dilema é só meu, visto que o cidadão está cagando E andando para a minha pessoa), não sei se eu ligo o foda-se de uma vez e mando o boy pra escanteio, já que homem é uma coisa que não falta nesse mundo, ou se eu mantenho a amizade, ou se eu deixo rolar, ou se eu compro uma bicicleta, ou se eu caso,…

Tô sabendo porra nenhuma, mas essa história está acumulando muito drama e como eu sou péssima em lidar com drama eu acho que vou dar um tempo pra tudo isso esfriar e arrumar uns bofes novos.

Como diria Banks:

“Cause I’m a goddess, you never got this.”

Eu quero um homem que me proteja.

Champagne-Blast

Não é pedir muito né?

Eu cozinho, trabalho, carrego as minhas próprias sacolas de compras e não tenho problemas em ir sozinha e te encontrar na festa. Eu sou uma menininha independente e não vou precisar de você pra tudo, pode ficar sossegado. Pra ser bem sincera, assim, precisaaaar, precisar, eu não preciso de ninguém, mas se o cara está comigo eu espero que, no mínimo, ele me proteja. É uma questão de cuidado, entende?

E não confunda cuidado com cavalheirismo, eu não preciso de um cara que abra todas as portas pra eu passar, eu sei fazer isso sozinha, mas quero alguém que me segure quando a festa está cheia, só para que as pessoas não me empurrem. Porque isso é proteger.

Proteger é não me trair, porque você sabe que, se você quer que as pessoas respeitem a sua namorada, você precisa respeitar a sua namorada e querer que as pessoas respeitem sua namorada é proteger.

Ser honesto comigo é proteger, porque mentira e confusão não faz bem pra ninguém.

Proteger é me acompanhar até a porta do táxi, só pra ter certeza de que eu vou voltar pra casa bem. Tão simples né?

Buscar uma bebida pra mim quando o bar está cheio, porque não quer que eu entre na muvuca. Fazer questão de achar os meus amigos, antes de ir ficar com seus, pra que eu não fique andando sozinha na festa. Ir comigo falar com o segurança da balada, porque roubaram o meu celular e eu estou nervosa.

Isso tudo aconteceu comigo, com caras diferentes, que não eram namorados nem maridos, eram só caras legais. E pode ter certeza que foram esses detalhes que me fizeram gostar mais deles, porque eles me protegeram.

Eu tive um namorado que brigou com um amigo porque ele fez comentários maldosos sobre mim. Ele me protegeu. Até o fim do nosso namoro de 4 anos, nenhum outro amigo dele fez qualquer comentário sobre mim. E então eu passei a confiar muito mais nesse namorado, porque ele fazia coisas desse tipo e, portanto, eu sabia que, se dependesse só dele, nada de ruim me aconteceria.

Claro que nós sempre vamos encontrar um bipolar, aqui e ali, que não deixa ninguém falar de você “pelas frentes“, mas te trai com o Brasil inteiro pelas costas. Mas esses são os cachorros, minha querida, e você vai acabar descobrindo isso de um jeito ou de outro, não se preocupe.

Eu quero alguém que se preocupe comigo, se eu estou bem e se eu vou ficar bem. E isso não tem nenhuma relação com quantas vezes você me liga ao dia, ou com o tempo que você demora pra responder as minhas mensagens, então defina melhor as suas prioridades.

E já aviso que, se não estiver disposto, nem venha. Sozinha eu me viro muito bem, obrigada.

Como ser solteira.

blogdimoda_624844b54b97e90ee9be75bc4ab88211

Dia dos namorados ta aí e eu postando uma coisa dessas. Inspirador, não?!

Mas sabe como é, o Face ta aquela melação se sempre. Azamiga reclamando que estão sozinhas, que o ex postou foto com a sirigaita, que o peguete deu aquele perdido e na boa gente, eu não tenho paciência pra isso.

E antes que você me chame de recalcada. Eu já tive namorados, já tive a oportunidade de comemorar essa data querida algumas vezes, e sou muito grata por isso. Mas no momento eu estou solteira e não vejo problema algum em passar esse dia sozinha. Sim, isso mesmo que você leu: SO-ZI-NHA! No momento estou aqui, escrevendo no blog e ponderando que festa bafônica contará com a minha ilustre presença nesse final de semana. Porque isso é ser solteira!

Ser solteira não é uma condição, meu doce, é um estado de espírito. E se você não consegue ver isso eu sinto em lhe informar que você não está solteira, você está desesperada. By the way isso não é legal. Homens sentem o cheiro de desespero a milhas de distância. E correm. Muito. Logo se você não pretende acabar como “A Tia dos Gatos” sugiro que você comece um tratamento de choque pra mudar isso.

E quem vai ser a sua Guru, a sua Yoda, a sua Mestre Rato (um beijo pra quem entendeu a referência), nessa jornada difícil????? A Diva das Solteiras, a mais bem resolvida das bem resolvidas, a linda e bafônica… Eu!

Sim, eu me amo muito. E você devia começar fazendo o mesmo.

Primeira regra básica para qualquer solteira de sucesso: Você é sensacional.

Não é eu sou legal, eu sou gente boa, eu sou bonitinha. NÃO! Você é sensacional! Nada menos que isso, esse é o pensamento. Primeiro porque gente com autoestima baixa sempre aceita menos do que merece, e segundo porque, convenhamos, se nem você, que é a maior interessada, acredita que você é o máximo, quem é que você vai convencer?

Segunda regra: Levanta a bunda do sofá e sai de casa.

Se você é daquelas que acredita em destino, deixa eu te contar, o nome é DES-TI-NO  não MI-LA-GRE. E se você não sair de casa e criar oportunidades pra Santo Antônio colocar alguém na sua vida, as suas maiores chances de sucesso vão ser com o cara que  conserta a NET. Ou seja, se a sua alma gêmea for DJ, esquece, vai morrer solteira.

Terceira regra: Mude seu propósito de vida de “Achar um Macho” para “Ser Feliz

Essa é muito importante galera, tem amiga minha que só sai de casa se for pra caçar homem e isso é muito chato. A menina ta lá, com você na balada, a festa está ótima, a música está ótima, mas ela não para de reclamar UM segundo, porque não achou nenhum cara que ela queira pegar. Ou porque o cara que ela queria pegar está pegando outra e agora ela tem que bolar um plano pra ela pegar alguém na frente dele, ou quer, porque quer, te arrastar pra uma festa X porque fulaninho acabou de mandar uma mensagem dizendo que vai pra lá. Gente, sai pra se divertir! Se por acaso você encontrar alguém legal, ótimo! Se não curte a festa mesmo assim, sei lá, aproveita pra beber até cair ou pra fazer aquela dança ridícula com a sua amiga, dá umas risadas.

Quarta regra: Desapega!

A regra do desapega é sim a mais difícil de todas! Mas, ela é necessária para qualquer solteira. O carinha não te ligou? Ok! Vão ter outros. Você chamou fulano pra sair e ele não quis? Ok! Vai com outra pessoa. O seu peguete pegou outra na festa que você estava? Beleza! Vai curtir a festa, ele não é o último homem que você vai pegar. Sério, você não precisa de um cara pra ser feliz, você precisa estar feliz consigo mesma. Não fica depositando a sua felicidade na mão dos outros, é uma responsabilidade muito grande, as pessoas tem o direito de não querer carregar esse peso. Então carrega você, que é mais garantido.

Na minha opinião essa história de metade da laranja é a maior besteira que já inventaram. Onde já se viu você precisar de alguém pra ficar completa? As meias laranjas que me desculpem, mas eu sou uma laranja inteira, e só vou aceitar outra laranja inteira pra estar comigo pela eternidade.

Agora sai dessa bad de dia dos namorados e vai ser solteira, pelo amor da minha timeline.