Não vai rolar.

Captura de Tela 2014-09-30 às 15.18.19

Existem dois grupos de caras que tomam foras: o grupo dos Não Quero e o grupo dos Acho Melhor Não.

O grupo dos Não Quero são aqueles que eu não tenho o menor interesse em pegar, simples assim. A culpa não é sua, a culpa não é minha, a culpa é do universo que não colocou química nessa relação. Neste grupo estão aqueles caras que não tem a menor chance, não importa quantas vezes e nem de quais maneiras eles estão chegando em mim.

É uma questão de interesse, eu não me acho melhor que ninguém, é só que existem pessoas que estão afim e pessoas que não estão, assim como existem pessoas que gostam de alho e pessoas que não gostam e, no caso, eu estaria neste segundo grupo. Exemplo:

Tem um carinha afim de mim. Mas não é qualquer carinha, é um amigo de uma amiga minha, que eu já conheço há algum tempo, leia-se, que eu não quero pegar a algum tempo, já que, desde então, o menino chegou em mim pelo menos umas 15 vezes (chutando baixo).

Fico me perguntando o que passa pela cabeça desse indivíduo, quando ele resolve chegar em mim mais uma vez depois de tantos foras. Porque veja, eu já expliquei pra ele de todas as maneiras delicadas (e indelicadas também), que não vai rolar MEIXMO, que ele é muito legal e tudo mais, mas que deste mato não vai sair coelho, então que ele deveria PARAR de tentar, porque já está começando a ficar chato. Mais clara que isso só se eu disser “Querido, eu estou mais inclinada a entrar para um convento do que para mudar de ideia quanto a ficar com você”, lembrando que eu estou para o convento assim como os golfinhos estão para voar.

Mas aparentemente a audição dele está com algum problema, visto que, ele CONTINUA tentando. Esse é brasileiro.

Já o grupo dos Acho Melhor Não (mais conhecido como Bom Senso), são aqueles que, em situações normais, teriam TODAS as chances do mundo com você (leia-se: aqueles dignos do “Me pega, por favor? To pedindo com educação“), mas que, por algum motivo, você acha melhor não pegar.

Podem existir vários motivos pra isso acontecer, mas o mais comum deles é quando você sabe exatamente que tipo de traste é aquele, e simplesmente não quer aquilo na sua vida. É só. Exemplo:

Eu tenho amigos cafajestes. Eles são ótimas pessoas, eles são lindos, inteligentes, simpáticos, rhycos, educados, mas eles não valem nem uma coxinha COM cabelo. E eu sei disso, aliás, todo mundo sabe disso, então chegamos ao acordo que seriamos amigos (eu cheguei no acordo na verdade, pra eles, se fizer sombra eles estão pegando), não porque eu não queira pega-los – Deus, dai-me força de vontade – mas porque eu NÃO VOU me colocar nesta situação que eu sei como vai terminar. Mal.

O problema é que, pra esse segundo grupo a chance existe, e eles sabem disso, então dependendo do tamanho da vontade (ou da birra) deles, eles acabam conseguindo te convencer de que nem tudo é tão horrível quanto parece, que nem todo príncipe é sapo e que no final tudo vai dar certo. E todo mundo sabe como essa história termina néam?!!

Mal.

O causo é que nenhum desses dois grupos é próprio para consumo, ou para relacionamentos, e ultimamente é só o que tem me aparecido, ou seja, minha vida amorosa está tipo as eleições presidenciais: só candidatos inviáveis.

Eu queria muito gostar sinceramente de algum dos candidatos do primeiro grupo, eu juro que queria. Ou que os bonitinhos do segundo grupo resolvessem ser decentes uma vez na vida.  As coisas podiam ser simples, tipo aquela música da década de 70, “I want you to want me” e é isso, tudo ia ser tão fácil, massss… Se fosse fácil não chamava vida, chamava biscate.

Agora meninas, como eu ouvi (de uma gênia, parabéns, clap, clap) outro dia na balada:

Mais do que razão, mais do que dinheiro, na vida é importante ter: critério”

Anúncios

5 comentários sobre “Não vai rolar.

  1. Oba texto novo! Concordo totalmente. Mas tenho a impressão que os homens classificam as mulheres de forma parecida. Tipo, Mulheres legais:Pega mas não se apega. Mulheres vadias: Pega quanto mais melhor.

    Triste realidade.

  2. Pingback: Não vai rolar. | Cosmopolitan Girl

  3. Putz, eu não lembrava qual foi a última vez que eu vi algo parecido com esse texto, ou se, vi algum dia. sabe aquele “xelépete” que alguém nos primórdios da terra te dá bem de graça? Pois é, foi assim. E eu achando que era uma baita monstra por não querer o grupo “Não Quero”, eles são até legais, mas eu não quero. Valeu mesmo!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s